anunciar tabela de preços enviar notícia
rede social :: login
Contém 1g entra em recuperação judicial
São João da Boa Vista|negócios|02/08 18:57|2762 visualizações
A empresa de Contém 1g, entrou em recuperação judicial nesta semana. O pedido foi deferido pela Comarca de São João da Boa Vista, interior de São Paulo, onde está sediada.
Fundada em 1984, a Contém 1g tem dívidas de 40 milhões de reais, a maior parte dela com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES) - cerca de 10 milhões de reais e outros bancos.
 
O advogado da empresa, Otto Gübel, diz que a marca precisa reestruturar sua dívida para continuar operando no segmento de cosméticos. Além de distribuir seus produtos através de 94 franquias - entre lojas e quiosques-, a Contém 1g vende cosméticos em farmácias e também por meio de uma rede de marketing multinível - quando vendedoras recrutam outras vendedoras.


Segundo ele, a Contém 1g fechou 2017 com um faturamento de 114 milhões de reais. - O problema não foi a queda nas vendas, mas a redução de margem de lucro da companhia. A empresa fez mais negócio do que tinha capacidade para administrar. Se não tem uma estrutura forte, acaba se endividando de forma desordenada para arrumar capital de giro.-


O advogado afirma que os cerca de 100 funcionários diretos não serão demitidos, pois o objetivo da empresa é continuar operando e atendendo sua rede de franqueados.
 
 
A matéria é do site da Veja
 
Complemento (publicado no G1)
 

A Contém 1g iniciou suas atividades em 1984, na cidade de São João da Boa Vista, interior de São Paulo, inicialmente no ramo de confecção e comercialização de camisetas de malha direcionadas ao público jovem.
 


Em 1993, o dono da empresa, Rogério Rubini, decidiu expandir os negócios para o ramo de cosméticos e perfumaria, investindo na produção e comercialização de perfumes por meio de venda direta.
 


Em 1997, o sistema de distribuição e de venda direta foi modificado para o chamado sistema multinível, ou marketing de rede, modelo comercial em que os ganhos podem vir da venda efetiva dos produtos ou do recrutamento de novos vendedores, diferente do chamado &ldquoesquema em pirâmide&rdquo por ter a maior parte de seus rendimentos oriunda da venda dos produtos, enquanto, na pirâmide, os lucros vêm, apenas ou maioritariamente, do recrutamento de novos vendedores.

 
Os distribuidores eram compensados por bonificações na medida em que conseguissem ampliar o mercado, recrutando novos revendedores, vinculados à sua coordenação.
Em 1999, a empresa lançou sua linha de maquiagem no mercado.Nos anos 2000, percebendo a desaceleração do potencial de expansão de vendas, Rubini implantou um novo modelo, voltado para a comercialização dos produtos da marca no varejo, por meio de franquias, com lojas/quiosques espalhados pelo país.
 
A Contém 1g chegou a contar com mais de 20 mil revendedores diretos, 230 franqueados, 170 empregados diretos, com vendas de perfumes, loções e itens de maquiagem.No ano de 2017, o faturamento das empresas do grupo somou R$ 114 milhões.
Se comparado a 2016, houve um aumento de 60% no faturamento. Segundo a empresa, ainda que o aumento tenha sido expressivo, houve diminuição das margens de lucro, o que causou "efeito devastador nas finanças".
Já no 1º semestre deste ano, faturamento caiu 53% na comparação com o mesmo período de 2017.Atualmente, o grupo Contém 1g tem uma rede de 94 pontos de vendas, sendo 69 lojas e 25 quiosques franqueados, bem como revendedores que vendem produtos da marca.
A empresa tem 95 funcionários.A empresa não tem outros acionistas além de Rogério Rubini, segundo Otto Willy Gübel Júnior.
Sobre como ficará a situação dos franqueados, Gübel Júnior disse que "todo o relacionamento com franqueados será priorizado".
Marketing multinível foi 'herói e vilão' No pedido de recuperação judicial, a empresa afirma que, com as finanças fortemente abaladas em virtude da crise que começou em 2014, foi preciso inovar, com o modelo de negócio de marketing multinível como uma alavanca de vendas e geração de novas oportunidades.


O modelo trouxe um  -crescimento avassalador - das vendas, mas foi  - herói e vilão - , segundo a empresa. O sistema não foi bem recebido por grande parte dos distribuidores, por ser complexo, trazendo dificuldades para administrar o volume de pedidos, de vendas e de pagamentos de bônus.


A empresa alega que o modelo de comercialização em rede trouxe revendedores sem conhecimento dos produtos nem preparo necessário. Houve ainda migração de líderes para os concorrentes, o que ocasionou diminuição de vendas.


Assim, com a implementação do novo sistema de vendas, houve um acentuado crescimento de faturamento nos últimos anos, mas esse crescimento de faturamento foi de forma pouco ordenada, o que fez com que a empresa entrasse em processo de retrocesso econômico.



Posição no mercado


Segundo a Euromonitor International, provedora global de inteligência estratégica de mercado, a Contém 1g está posicionada em 8º lugar entre as empresas do ramo de maquiagem do país, com participação de mercado de 2,4% no ano passado. Ficou atrás da Avon, que tem 22,2%, Natura (11,4%), Boticário (11,3%), Coty, LOreal, Mary Kay e Vult
enviar notíciaenviar informaçõesenviar foto comentar

Comentar usando as Redes Sociais
E. S. P.
São João da Boa Vista
03/08 09:53

A notícia não informa que antes de manter os 100 funcionários que o advogado informa, do inicio do ano até o momento a empresa já dispensou quase 200 funcionários. Sem previsão nenhuma de recebimento dos valores devidos.

03/08 11:14

Eles não poderiam ser remanejados para as sua filial no exterior? Fica a dica para o advogado estudar.

03/08 11:19

Quem é fornecedor recebeu no email: Tal decisão se fez necessário para manter as atividades da empresa contem 1g SA. Realizamos um enxugamento extremo na companhia para fazermos frente a este novo desafio, reduzimos nosso quadro de colaboradores de 340 para 140 , fechamos nosso escritório em São Paulo e concentramos nossas atividades em nossa planta em São João da Boa Vista. Sabemos que é difícil , mas contamos com vocês para superamos este desafio, ratificamos que estamos realizando nossos melhores esforços para superarmos este momento

03/08 12:11

Os demitidos que estão sem previsão de receber os seus direitos também contam com "alguém" que os ajudem a superar o seu desafio de pagar as suas contas, se alimentarem, vestirem, medicarem etc.

03/08 16:58

Exatamente

Ninguém
Ninguém
07/08 00:37

Em sua analise, magina se todas as empresas resolvem fazer isso, contrata funcionários trabalha vários anos dedicando sua vida, com isso graças a Deus a capital gira, dando estabilidade e conforto pra sua família podendo fazer comprar o que lhe cabe e o necessário, as empresas demitem vários funcionários sem direito nenhum, nem sequer o salário do mês pra que possa superar essa dificuldade, os trabalhadores não tem dinheiro para comprar o necessário, coloque na justiça daqui 6 anos ou até mais consegue receber um pouco pelo seu direito trabalhista, imagina o colapso financeiro que gira no Brasil, sendo que a crise já vendo ser por corrupção e varias coisas, esse é o pensamento capitalista do Brasil, como a lei trabalhista é lerdo esse é o Brasil é dos esperto que construí uma nova nação. A Propósito quando uma banco,uma conta ligar e não temos dinheiro vamos dizer que vamos superar isso junto porque não temos Caixa 2.

07/08 08:38

Não adianta me xingar. Eu apenas copiei e colei o email que recebi. Veja a primeira frase do parágrafo. Ler com calma as coisas pode te livrar de problemas.

03/08 11:41

Infelizmente a nossa legislação faz de conta que protege o trabalhador, as empresas em dificuldades financeiras nunca comprometem o seu patrimônio para a sua readequação financeira, sobrando para os funcionários demitidos. Acho um absurdo os acordos amigáveis descabidos que os sindicatos propõem aos demitidos, sob a alegação de que é melhor receber parcelado do que entrar na justiça e esperar anos prá receber (lembro aqui que passado um tempão as empresas oferecem nas audiências acordo de parcelamento, postergando ainda mais o sofrimento dos interessados), me dá a impressão que os sindicatos trabalham prá defender os interesses do patrão e não dos sindicalizados, ou estou errado? É bastante questionável as alegações do advogado em relação ao mercado que é um dos mais crescentes, o ranqueamento da empresa e, principalmente quando faz questão em frisar sobre o controle acionário, porém se a comarca da cidade aprovou temos que respeitar a justiça, paciência...

tony
São João da Boa Vista
03/08 17:58

torço pela recuperaçao da empresa sou grato a ela pelos anos trabalhados la

06/08 10:03

Brasil é foda, a empresa dando o ultimo suspiro para se manter viva, se reerguer e futuramente dar emprego novamente, e os caras preocupados com mixaria.. tenho certeza que ninguem passa fome se forem trabalhar. A empresa se reerguendo vai contratar muita gente dinovo e novas oportunidades surgirão, mais o povo que quer eles fechem as portas.. depois reclama que não tem emprego na cidade.. na hora de receber o PLR ninguem reclamou ou perguntou se a empresa tava precisando de alguma coisa...

06/08 10:09

É verdade, coitadinha da empresa. Capitalizou-se com o multinível e depois entrou em RJ.... Não conseguiu produzir conforme a demanda. Fruto de decisões dos funcionários do da diretoria? Além disso, só uma correção: ninguém "dá" emprego. A empresa precisa da força de trabalho dos funcionários para produzir. É uma troca, não um favor.

06/08 14:52

Só que pelo que remuneram em troca do que exigem até parece favor mesmo...

08/08 20:54

Pq não reclamou ou pediu as contas qdo a empresa estava pagando em dia, já que não era contente...

08/08 20:55

Pedisse a conta e ia ser feliz ganhando mais em outro lugar...

06/08 14:51

Está de brincadeira né? os funcionários fizeram a sua parte e nada tem culpa se a administração não foi competente em gerir a empresa. Vc já ficou nessa situação, devendo suas contas, com direitos a receber e sem poder pagar? chama isso de mixaria e ainda fala que o país é foda? Veja se o dono da empresa está passando fome para dividir a conta? A empresa é quem deveria perguntar se os empregados estavam precisando de alguma coisa. Sem noção mesmo!!!

Marta
São João da Boa Vista
06/08 22:49

Se poupe ! É muito fácil querer generalizar quando você não faz parte dos demitidos em massa. Eu não recebi o PLR, não recebi o FGTS, não recebi o meu salário e nem o meu acerto, além de ter que esperar dias para darem baixa na minha carteira de trabalho. Não é o Brasil que é foda meu amigo, são os brasileiros que ficam camuflando as coisas e preferem filtrar somente o que lhes agradam.

08/08 20:56

Então qdo tinha PLR todos queriam, agora que tem prejuizo ninguem quer ajudar... ai fica facil...

07/08 10:53

Ta de brincadeira ne... Mixaria? Fala serio .. Os funcionários que trabalharam 10 anos nesta empresa dedicaram sabe o que receberam NADA . Se dedicaram a uma empresa que nem consideraação tiveram para os funcionários, descartaram eles como se fossem um NADA, e ainda estão fazendo seleção para contrataçao.

morador
sjbvista
08/08 13:46

e a cancela que colocaram na rua para não deixarem os fornecedores e ex-funcionarios ir reclamar....a rua é dele? se não paga nem funcionarios então não deve pagar os impostos....nós moradores pagamos e nem por isso a prefeitura deixa a gente fechar a rua.... a prefeitura deixou fazer isso?

Varte do Trucão.
08/08 20:57

Bom eu to recebendo.. não tenho do que reclamar

Comentar esta notícia

comentário

(500 caracteres)

nome completo
cidade